O que é hiperautomação? 

Este artigo foi escrito por Ma-Keba Frye, escritora de conteúdo de SEO da MuleSoft.

Os desenvolvimentos recentes em robótica, inteligência artificial e aprendizado de máquina deixaram setores e negócios inteiros à beira de uma nova era de automação, conhecida como hiperautomação. Como 95% dos atuais líderes de TI e engenharia priorizam a automação de fluxos de trabalho, essa nova oportunidade liderou as iniciativas de transformação digital de muitos negócios. 

Combinando tecnologias e ferramentas avançadas, a nova era de automação atribui seu crescimento à automação de processos robóticos (RPA). Nesse processo, são utilizados “bots” para acelerar as tarefas manuais e aumentar a eficiência operacional, a precisão e a redução de erros. Embora a previsão de crescimento do mercado de RPA seja na taxas de dois dígitos até 2030, espera-se que o mercado de hiperautomação ultrapasse essas métricas, chegando a quase US$ 600 bilhões até 2022.

Este artigo explora o ambiente dinâmico da automação de negócios, principalmente os benefícios e a importância da hiperautomação.

O que é hiperautomação?


Embora a RPA tenha sido fundamental para aprimorar os processos de negócios, ela é apenas uma peça do quebra-cabeça de automação. A RPA se limita à automação de tarefas repetitivas, predefinidas e menos complexas — e é nesse ponto que a hiperautomação entra em jogo. A Gartner define a hiperautomação como uma “abordagem disciplinada e orientada aos negócios que as organizações usam para identificar, examinar e automatizar rapidamente o máximo possível de processos de TI e de negócios”, podendo levar a RPA a níveis ainda mais altos e, ao mesmo tempo, minimizar o uso de recursos humanos.
 

Por que a hiperautomação é importante?

Hiperautomação refere-se a um processo avançado de automação que combina vários elementos importantes: a potência da inteligência artificial (IA), o aprendizado de máquina (ML), o processamento de linguagem natural (NLP) e o reconhecimento óptico de caracteres (OCR). Essencialmente, a hiperautomação começa com a RPA e acrescenta várias tecnologias avançadas para alcançar a automação completa por meio de ferramentas e análises avançadas, como IA, aprendizado de máquina e sistemas de gerenciamento de processos de negócios (BPMS).

Em outras palavras, a hiperautomação se baseia na automação e amplia os recursos dela, criando um processo que está sempre avançando e se aprimorando por meio de dados. Ao adicionar inteligência à automação, essa combinação oferece a potência e a flexibilidade necessárias para automatizar os processos mais difíceis, inclusive operações não documentadas que dependem de informações não estruturadas.

Independentemente da infraestrutura e do trabalho repetitivo de uma organização, os robôs de automação respaldados por IA e ML ainda podem direcionar as entradas de dados não estruturados e tomar decisões diferenciadas. Isso permite que as empresas resolvam rapidamente as expectativas dos clientes, alcancem objetivos de negócios, aumentem a produtividade e impulsionem a eficiência.

Por exemplo, os bots puros de RPA são limitados à leitura de faturas e documentos padronizados e digitalizados. Por outro lado, ao adicionar o OCR e o NLP à RPA, os robôs hiperautomatizados podem realizar tarefas cansativas, porém intuitivas, como relatórios de vendas e contratos, além de ler faturas, e-mails ou documentos oficiais em vários formatos e de diferentes fornecedores. Eles também podem ouvir, ler e interagir em conversas para ajudar a responder e identificar oportunidades em velocidade recorde.


Quais são os benefícios da hiperautomação?

Também é importante entender que a hiperautomação não se limita apenas ao aprendizado de máquina ou à inteligência artificial. Com a hiperautomação, é possível usar ferramentas de automação nos sistemas, capturando a automação como um processo completo, em vez de partes individuais. Da mesma forma, os benefícios são infinitos, como:  

  • Redução de obstáculos operacionais: a hiperautomação pode conduzir os sistemas legados e atravessar outras barreiras funcionais, identificando ineficiências ou obstáculos nas operações empresariais. A combinação de IA e RPA ajuda a determinar as melhores práticas de otimização dos processos automatizados, fornecendo os maiores pontos de impacto. 
  • Transformação de agentes ativos em profissionais digitais: fortaleça sua equipe de trabalho implementando profissionais digitais que colaborem com os funcionários para oferecer maior produtividade ou assistência adicional. Esses profissionais digitais, desenvolvidos por meio de ferramentas de hiperautomação, também podem ajudar os clientes a navegar pelas bases de conhecimentos, oferecer serviços de suporte e gerenciar contas.
  • Aceleração de tarefas compostas: a hiperautomação inaugura um percurso rápido até a transformação digital e aumenta o número de tarefas automatizadas que, antes, dependiam de contribuições e informações humanas. Ao simplificar vários sistemas internos, a hiperautomação oferece visibilidade sobre as interações anteriormente ocultas entre as funções, os KPIs e os processos.
  • Maior agilidade de negócios: hoje, as organizações devem conseguir adaptar seus processos às novas necessidades do mercado. A hiperautomação permite que elas dimensionem as operações, respondam às mudanças do mercado e busquem oportunidades emergentes.


Quais são alguns casos de uso da hiperautomação?


Os recursos aprimorados de inteligência robótica da hiperautomação permitem que as organizações ampliem a automação dos principais processos de negócios. Alguns casos de uso:

  • Saúde: aprendizado de máquina, IA, NLP e RPA oferecem um enorme valor na melhoria dos processos do setor de saúde. Usando essas ferramentas em conjunto, a hiperautomação permite que as organizações economizem tempo, padronizem processos e reduzam erros automatizando as tarefas repetitivas relacionadas a exames de pacientes, conciliação de medicamentos, cadastro de pacientes, verificação de planos de saúde e muito mais.
  • Serviços financeiros: o surgimento de métodos alternativos de empréstimo, das fintechs e dos bancos digitais tornou o setor de serviços financeiros ainda mais competitivo. Com a hiperautomação, as instituições financeiras podem transformar suas operações e continuar competitivas aprimorando a integração de clientes, simplificando os processos de conformidade e aumentando a precisão e a velocidade.
  • Atendimento ao cliente: à medida que as expectativas e demandas dos clientes mudam, uma empresa deve encontrar formas de adaptar suas operações para abordar as preocupações dos clientes e aprimorar a experiência do cliente. A integração da hiperautomação com os processos e sistemas de atendimento ao cliente pode reduzir tarefas manuais, classificar consultas, oferecer soluções rápidas e simplificar os fluxos de trabalho.

Basicamente, a hiperautomação mobiliza a potência das organizações de conectar funcionários, sistemas e robôs de automação para colaborar para os futuros resultados e objetivos de negócios. Leia nosso whitepaper e saiba mais sobre como alinhar sua estratégia de automação de negócios para criar uma empresa combinável.